sábado, 27 de dezembro de 2008

FELIZ ANO NOVO






**Fotos tiradas no presépio da praça central de Criciúma**

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

BOXCARBOYS



Give me your heart, I’ll give you mine

the road ahead is ours

We’ll build a home not made from stone

but from the love we share

When storms descend and hard rains fall

and darkness threatens all around

I’ll comfort you, you’ll comfort me

our love secure on solid ground

Give me your kiss, I’ll give you mine

our happiness is in our hands

the words we speak, the things we do

reflect a love that’s strong and true

No earthly powers, no witching hours

could ever separate us two

© John Lyons, 2008

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Cais

Cecilia disse: "...que eu sou gota de mercúrio espalhada pelo chão". I've been there. Já me senti assim. Fizeram uma música pra mim, que começava assim: "O allegro dos teus olhos/Já me faz imaginar/Que eu vou alcançar o cais/Que eu vou te amar demais". A música era um absurdo de linda, mas um pouco incorreta. Como, por Deus, uma pessoa pode achar que vai alcançar o cais justamente com uma pessoa de olhos em allegro? Eu sopro, sopro, sopro até derrubar a sua casa, até derrubar seu mundo como você o conhece, até te levar pra bem longe de onde você fixou raízes, e sim, pode ser que, por isso, você vá me amar demais. Mas olha, eu não vou te acompanhar. Porque eu não vou pra longe do meu cais, porque eu sou Petra. Eu sou Petra de olhos em allegro. Com a alma em allegro, mas com uma perna numa pedra e outra atolada no musgo. Minha mente sempre além-mar, muito mais longe do que qualquer além-cais que você possa jamais sonhar em alcançar. E é exatamente por isso que eu vou te soprar. Quero que você chegue lá e me conte o que viu.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Bora?

domingo, 7 de dezembro de 2008

Doações de hoje - bazar BNP

A Andrea Podolski, do BNP, me ligou e disse "vem pra cá, tem dois carros cheios de doações". Eu achei que fosse hipérbole. Bom, não era. Olha isso, gente:



Isso fora o que já deixaram na Mr. Vet (a clínica da Janaina Rosalem) e na minha casa. Contando tudo, temos MEIA TONELADA de comida, mais muito produto de limpeza, edredons e caminhas, alguns comedouros e correntes/coleiras e até brinquedos.

E na conta, temos DOIS MIL REAIS.

Estou tão feliz. Vamos tentar enviar tudo isso para Itajaí agora nesta quarta-feira. Estamos resolvendo tudo com a transportadora, falei com o Roberto da AIPRA - Associação Itajaiense de Proteção Animal, e ele está ansioso esperando tudo isso e agradece muito o empenho de todo mundo que aderiu a essa campanha.

Que vocês recebam em dobro todo o esforço que colocaram nesta campanha. E eu sei que receberão, porque é assim que funciona, gente. É assim que funciona. Gentileza gera gentileza. E generosidade gera generosidade, seja doando dinheiro, coisinhas ou pensamentos positivos. O importante é doar com todo o amor do mundo. E é assim que foi feito, eu sei disso e me orgulho tanto.

Um beijo imenso.

Lele

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

RELATO DE UM PROTETOR

Ontem (30/11), protetores de Florianópolis levaram mais de um tonelada de
ração para cães, gatos e cavalos para Itajaí. Estivemos em contato direto
com o pessoal da Associação Itajaiense de Proteção dos Animais (AIPRA).
Passamos o dia inteiro fazendo entrega de rações diretamente nas casas das
pessoas que tiveram suas residências atingidas. A quantidade de lixo
acumulada em frente às casas era absurda.
Não há mais áreas alagadas. Encontramos alguns animais mortos. Foram
encontrados muitos, depois que água baixou.

COMENTÁRIOS DESAGRADÁVEIS
Muito lamentável o descaso das autoridades de Itajaí. No pavilhão chamado
"Marejada", as doações dos animais tiveram de ser escondidas para que a imprensa não filmasse e transparecesse que os animais são mais importantes que os humanos.

Uma vergonha o que o CCZ e a FAMAI (Fundação do Meio Ambiente de Itajaí)
estão fazendo, ou melhor, o que não estão fazendo!
CCZ: não estão aceitando ajuda de veterinários voluntários; não estão
atendendo animais desabrigados e das famílias; useam sua própria verba
para ajudar humanos (...) (Para que se cria um CCZ? Pra cuidar de
humanos?)
FAMAI: não estão atendendo os animais nem sequer sabem de alguém que
esteja fazendo isso.

Nem para o CCZ, nem para FAMAI os animais são prioridade. Caso não tivesse
ninguém por perto, as doações que se encontravam na Marejada iriam para no
CCZ. Parar nas mãos de quem não está cumprindo sua obrigação.

ATENÇÃO: muito cuidado ao enviar suas doações pela Defesa Civil (órgão do
governo). A Defesa Civil de outras cidade podem ajudar no carregamento das
doações para os animais, porém a Defesa Civil de SC não está colaborando!
Caso venham doações pela Defesa Civil elas irão parar no CCZ da cidade de
destino. Entrem em contato diretamente com as ONGs. Tenham certeza de que as
rações estejam sendo distribuídas diretamente aos responsáveis pelos
animais.

O que levamos ontem para Itajaí irá durar cerca de uma semana. Além de
Itajaí temos outras áreas que precisarão de ajuda.
(...)

A transportadora Braspress está colaborando no transporte de doações tanto para humanos como não-humanos.


Abraço,
Pedro Teixeira

domingo, 30 de novembro de 2008

PRIMEIRA NECESSIDADE - ANIMAIS EM SC

ALGUMAS NECESSIDADES IDENTIFICADAS:

- Vacinas contra leptospirose, raiva, antibióticos, sarnicidas, anestésicos, seringas, agulhas
- Máscaras e luvas descartáveis
- Ração para cães, gatos, cavalos e bois
- Água potável em embalagens de 5 litros
- Coleiras e correntes para cães
- Casas e caixas de transporte para cães e gatos
- Material de higiene e desinfecção de instalações e dos animais
- Cobertores e toalhas
- Potes para alimentação e água

Alessandra Siedschlag Fernandes
Itau ag 0713
c/c 63267-7

sábado, 29 de novembro de 2008

Notícias de Hoje

Primeiro, meus agradecimentos:

Ao Luiz Pimentel e à Claudia Assef, especialmente, e a todo o pessoal do Virgula, que estão apoiando com toda a alma esta campanha.

À Janaina Rosalem, da MisterVet (Rua Turiassu, 713 Tel: 3673-4028), minha superveterinária e amiga querida, por me apoiar tanto e sempre e dar as melhores idéias, além de estar buscando as melhores opções de ração e transporte pra gente. Fierce!

À Andrea Podolski, do BNP - Bicho no Parque, por se dispor a receber donativos no bazar do BNP, no próximo dia 7/12, na Rua Cayowaa, 1776, salão de festas, em Perdizes, SP.

À protetora Viviane Dahroj, por ter me dado a idéia de abrir uma conta própria pra ajudar os bichos de SC.


***************************


Falei com Halem Guerra Nery, do Instituto Animal Ecosul, de Florianópolis, e é a ele que as ongs do Sul estão se reportando. Ele está centralizando toda a ajuda, e repartindo-a para as ongs da região.

Ele me disse que o que está dificultando é mesmo a Defesa Civil, mas que eles já estão conseguindo sensibilizar os profissionais de lá e que amanhã chega a Florianópolis um especialista em catástrofes animais (dr. Werner Payne, da Veterinários sem Fronteiras), para avaliar in loco a situação e contatar as autoridades regionais, o que provavelmente muda (para melhor) o cenário.

Eles não têm ração disponível lá, e esta é a prioridade agora. Eles PRECISAM RECEBER comida para os animais. Então estamos tentando uma forma de conseguir viabilizar o transporte, que não seja, por ora, pela Defesa Civil. Algo particular mesmo.

Eu acho que o caminho é este. Centralizar a ajuda em SP com a gente, e nos comunicarmos diretamente com a central do Sul, o Halem. Já temos 450 reais de doação e mais 70 quilos de ração doados. Continuem divulgando, por favor. Vai ser uma vitória muito bonita e que vai fazer história.

Divulguem!

Alessandra Siedschlag Fernandes
Itau ag 0713
c/c 63267-7

sexta-feira, 28 de novembro de 2008


(Da Folha Online)

Gaspar, uma das cidades catarinenses em que foi decretada situação de calamidade, registrou cenas que mostram outras vítimas dessa tragédia: os animais.
Na zona rural, um tamanduá-mirim foi encontrado morto na tarde de ontem (26). O animal parecia ter sido arrastado pela água.

Durante uma missão de resgate dos bombeiros do Paraná no município, uma outra história teve final feliz. Um dachshund --também conhecido no Brasil como salsicha ou cofap-- foi salvo pelo Corpo de Bombeiros paranaense.

Fiel ao dono, que atravessou a correnteza, o cachorro tentou seguí-lo e foi arrastado pelas águas por cerca de 30 metros. Ficou preso sob os escombros de uma ponte.

"Um aspirante do Corpo de Bombeiros não pensou duas vezes e foi resgatá-lo", conta o fotógrafo João Carlos Frigério.

Na mesma localidade, onde 25 pessoas que estavam isoladas foram transportadas para casas de parentes, outro cão abandonado foi resgatado na beira de um rio e levado para uma comunidade vizinha.


__________________________________________

Estão divulgando que a Defesa Civil não vai mais enviar ração pra SC. Oquei, agora vamos conseguir um transporte particular pra fazer esse monte de sacos de ração - que se Deus quiser vamos conseguir - chegar até Blumenau. Por favor, divulguem. Logo subo um video fazendo um apelo para a campanha.

Obrigada.


Alessandra Siedschlag Fernandes
Itau ag 0713
c/c 63267-7
alesie@gmail.com

NOVA CONTA-CORRENTE PARA AJUDAR OS ANIMAIS ABANDONADOS DE SC

Gente, seguinte, eu não consigo só divulgar um negócio. Preciso fazer alguma coisa.

Eu estou me juntando a Clarah Averbuck e ao pessoal do Virgula (Luiz Pimentel e Claudia Assef) pra divulgar uma campanha em prol dos animais abandonados de Santa Catarina. É muita desgraça pra todo mundo, eu sei. Vamos pensar um pouco nos bichos também?

Minha superveterinária e amiga do peito Janaina Rosalem está conseguindo um acordo bem bacana com um fornecedor de ração: vamos comprar as rações "por quilo" - são pacotes que rasgaram e não podem ser vendidos p/ loja. E quanto mais quilos comprarmos, mais desconto a gente consegue.

Vou divulgando aqui cada passo que a gente conseguir.

Tenho uma conta-corrente específica para essa ação. Depositando o mínimo que seja, você me ajuda a ajudar os bichos abandonados, pra quem não existe helicóptero de resgate ou lugar seguro agora.


Alessandra Siedschlag Fernandes
Itau ag 0713
c/c 63267-7
alesie@gmail.com



E que essa imagem seja um exemplo:

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

APELO: ANIMAIS EM SANTA CATARINA


(Imagem daqui)


O GAE POA, amigos e simpatizantes da causa animal estamos solidários com o sofrimento do povo catarinense. A mobilização do governo federal e dos Estados brasileiros, bem como da população do país, tem por dever aplacar as necessidades imediatas dos desassistidos. Entre as vítimas da tragédia, estão também os animais que só contam com iniciativas de poucas ONGs. Muitos cães têm sido encontrados mortos, presos a coleiras nos pátios de suas casas, gatos ficaram nos apartamentos, sem que seus donos tivessem conseguido salvá-los. Centenas seguem nos telhados e nas árvores sobre as águas.
Nosso apelo, neste momento, é para que, além da ajuda oferecida aos humanos, também se façam donativos para os grupos que estão tentando resgatar e tratar animais.

Itajaí

O apelo da ONG Viva Bicho dá conta de que os animais não têm como pedir socorro e não conseguem se ajudar sozinhos. Muitos estão ilhados, sem comida, com medo, frio, à espera de ajuda. Cães e gatos sobreviventes vagam pelas ruas à procura de suas famílias e de alimentação. Apela-se aos moradores que tentem alimentar os animais que estão na rua.
Não há ração disponível para compra na cidade, precisando ser enviada de outros lugares. Qualquer doação reverterá na ajuda imediata para resgate e tratamento dos animais sobreviventes.

Contato: Bianca - Ong Viva Bicho - (47) 8425-1459 / 9903-5441
Banco do Brasil
Ag. 1489-3 cc 20793-4
Associação Viva Bicho
CNPJ 06 156 776 / 0001 - 81

Blumenau

Segundo informes da APRABLU - Associação Protetora de Animais de Blumenau, há muitos animais ilhados e também perdidos pela cidade, e a ONG pede que os moradores tentem alimentar e confortar os animais que encontrem. A Associação pede com urgência doações para compra de medicamentos, alimentação, condições de abrigagem, cordas e potes.

Contato para doações:
e-mail: aprablu@terra. com.br (Bárbara)
Caixa Econômica Federal (ou lotéricas)
Ag.411
Op. 013
C/C 187-5
Simone Ruth Stoltz

Florianópolis
Menos atingida do que as cidades do interior, a capital de Santa Catarina, por meio de integrantes do GAE Floripa e do É o Bicho organizam o envio de estoque de rações a Itajaí, já contando com uma forma de transporte para sábado. Contato para apoiar com doações: e-mail: ordepdarc@gmail.com (Pedro)


Não deixe de doar, mesmo um valor "pequeno". Neste momento, qualquer real vai ajudar. Repasse esta mensagem aos seus contatos, vamos nos juntar aos animais vítimas das enchentes de SC.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Oggi Sono Io

Falando em poesia... Essa música é poesia pura, desde a letra (incrível) até a interpretação.
Este vídeo que eu posto aqui hoje seria um ensaio. Mina está lendo a letra, cantando a música pela primeira vez. Perceba que, no fim, o diretor ri, estupefato: ficou perfeito. Não precisa nem tentar de novo, foi "a boa".



É uma das minhas músicas preferidas do mundo inteiro. Tenho um verso dela tatuado no braço direito, sob um verso de Ted Hughes.



Aqui, a letra, de Alex Britti:

E non so perché,
quello che ti voglio dire
poi lo scrivo dentro ad una canzone
Non so neanche se l’ascolterai
o resterà soltanto un’altra fragile illusione
Se le parole fossero una musica
potrei suonare ore ed ore e ancora ore
E dirti tutto di me
Ma quando poi ti vedo c’è qualcosa che mi blocca
E non riesco a dire neanche come stai
Come stai bene con quei pantaloni neri,
come stai bene oggi,
come non vorrei cadere in quei discorsi già sentiti mille volte,
e rovinare tutto
come vorrei poter parlare senza preoccuparmi,
senza quella sensazione che non mi fa dire
che mi piaci per davvero,
anche se non te l’ho detto,
perché è squallido provarci,
solo per portarti a letto
e non me ne frega niente,
se dovrò aspettare ancora,
per parlarti finalmente,
dirti solo una parola,
ma dolce più che posso,
come il mare, come il sesso,
finalmente mi presento.
E così, anche questa notte è già finita,
e non so ancora dentro come sei
non so neanche se ti rivedrò,
o resterà soltanto un’altra inutile occasione,
e domani poi ti rivedo ancora.
E mi piaci per davvero,
anche se non te l’ho detto,
perché è squallido provarci,
solo per portarti a letto
e non me ne frega niente,
se non è successo ancora,
aspetterò quand’è il momento,
e non sarà una volta sola.
Spero più che posso,
che non sia soltanto sesso,
questa volta lo pretendo.
Preferisco stare qui da solo,
che con una finta compagnia,
e se davvero prenderò il volo,
aspetterò l’amore e amore sia.
E non so se sarai tu davvero,
o forse sei solo un’illusione,
però sta sera mi rilasso, penso a te e scrivo una canzone.
Dolce più che posso,
come il mare, come il sesso,
questa volta lo pretendo,
perché oggi sono io.






domingo, 23 de novembro de 2008

De vez em quando eu descubro um poeta de que eu adoro. Vamos combinar, poeta é uma coisa tipo "honesto" ou "sincero" no programa do Rodrigo Faro - todo mundo fala que é, mas aí você vai ver e... né? Enfim, pra bom entendedor.

Descobri Matthew Arnold no susto, assim como meus amores Ted Hughes no susto, assim como Olga Savary. Mas Arnold, na verdade, eu nem conheço direito, sabe aquele medinho que dá de você ir fuçar e se decepcionar? Porque depois de conhecer o primeiro poema dele, Dover Beach, eu tenho a sensação de não precisar conhecer mais nada... Porque é perfeito demais.

Conheci o poema pelo filme "Salt on our Skin", com Greta Scacchi e Vincent d'Onofrio, um dos meus top5 movies. Mas outro dia eu falo deles, hoje falo do poema em si. É uma das coisas mais lindas que já vi na vida.

Fui buscar no YouTube a cena da leitura do poema no filme, mas não tem. Achei uma animação sobre a imagem do Arnold, com uma leitura em off do poema - o máximo.



Pra quem quiser seguir os versos, Dover Beach transcrito. Enjoy.

The sea is calm to-night.
The tide is full, the moon lies fair
Upon the straits; on the French coast the light
Gleams and is gone; the cliffs of England stand;
Glimmering and vast, out in the tranquil bay.
Come to the window, sweet is the night-air!
Only, from the long line of spray
Where the sea meets the moon-blanched land,
Listen! you hear the grating roar
Of pebbles which the waves draw back, and fling,
At their return, up the high strand,
Begin, and cease, and then again begin,
With tremulous cadence slow, and bring
The eternal note of sadness in.

Sophocles long ago
Heard it on the A gaean, and it brought
Into his mind the turbid ebb and flow
Of human misery; we
Find also in the sound a thought,
Hearing it by this distant northern sea.

The Sea of Faith
Was once, too, at the full, and round earth's shore
Lay like the folds of a bright girdle furled.
But now I only hear
Its melancholy, long, withdrawing roar,
Retreating, to the breath
Of the night-wind, down the vast edges drear
And naked shingles of the world.


Ah, love, let us be true
To one another! for the world, which seems
To lie before us like a land of dreams,
So various, so beautiful, so new,
Hath really neither joy, nor love, nor light,
Nor certitude, nor peace, nor help for pain;
And we are here as on a darkling plain
Swept with confused alarms of struggle and flight,
Where ignorant armies clash by night.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

16-year-old

Eu adoro memês. Vi no Calaboca e, como adolescente de 16 anos que sou, tô replicando.

Onde está seu celular? Não faço idéia
E o amado? Aqui em casa, no escritório
Cor do cabelo? Agora? Loiro-escuro. Mas muda absolutamente sempre.
Sua mãe? Na Ilhabela.
Seu pai? Desbravando o céu há quase 3 semanas.
Minhas irmãs? Uma na Ilhabela, outra em São Carlos.
Seu filho? Minha filha foi passear no parque da Água Branca.
O que mais gosta de fazer? Ver TV com minha filha, comer, ler bons textos, escrever bons e maus textos, andar a cavalo e namorar, não necessariamente nesta ordem.
O que você sonhou na noite passada? Gente, sonhei que eu era a Madonna. Sério. Essa minha COISA com biografias, que tá me fazendo ler "A minha vida com Madonna", do Christopher Ciccone. Leio todas as biografias do mundo, até de quem eu não conheço.
Onde você está? Sentada na minha cama :)
Onde você gostaria de estar agora? Ai, na Italia?
Onde você gostaria de estar daqui a seis anos? Na Italia mesmo :)
Onde você estava há seis anos? Morando do outro lado da cidade, me preparando pra viajar pra Salvador.
Onde você estava na noite passada? Jantando e rindo com minha soul sister.
O que você não é? Constante.
O que você é? Curiosa.
Objeto do desejo? Uma ong para ajudar bichos.
O que vai comprar hoje? Nada programado.
Qual sua última compra? Um... jantar?
A última coisa que você fez? Entreguei duas pautas pra minha editora.
O que você está usando? Bermuda jeans, regata preta, uma camisa florida que comprei em Camdem, Londres... em 1990. Sério.
Na TV? Meh.
Seu cachorro? Três: Catarina, Monica, Prozac.
Seu computador? MacBook branco.
Seu humor? Ciclotímico.
Com saudades de alguém? Sandrina, Gabriela, meu pai.
Seu carro? C3 preto, todo redondinho e cheiroso.
Perfume que está usando? Tentatrice?, da Sephora.
Última coisa que comeu? Salada e pasta al sugo.
Fome de quê? De vida.
Preguiça de? Gente.
Próxima coisa que pretende comprar? Presentes pra quem eu amo.
Seu verão? Projeto Piovani: magra, preta e linda. Sem apanhar, porém.
Ama alguém? Muita gente.
Quando foi a última vez que deu uma gargalhada? Hoje de manhã, lendo um email.
Quando chorou pela última vez? Quando meu pai morreu.

terça-feira, 18 de novembro de 2008

Sobre o post do Gravataí Merengue

O assunto de hoje é o post que o G. Merengue escreveu, sobre o Vírgula, a Veja e o TDUD?. Acho bacana levantar a discussão sobre jornalismo/blogs de fofoca x humor x liberdade de imprensa e tal, acho mesmo. Eu trabalho com textos desde 1994, sou publicitária formada, com pós-graduação em Tradução, e tenho uma empresa de textos desde 96. O TDUD? não é meu (único) trabalho, portanto. Trabalho como revisora/redatora/fornecedora de conteúdo para mais uma dezena de clientes fixos, e adoro. Digo isso pra dizer que sim, acho bacana mesmo discutir sobre o texto em si, entre pessoas/profissionais da internet. Acho que todo mundo vai sair maior e melhor de uma boa discussão entre profissionais e adultos que somos.

Eu leio o Gravataí, e na maioria das vezes concordo com o que ele diz, e entendi que o que ele está levantando no post é a pretensa "contradição" do Virgula em escrever um texto sobre a matéria da Veja falando sobre Fabio Assunção e as drogas e ao mesmo tempo hospedar o nosso blog, que sempre comentou com ironia as notícias jornalísticas de outros blogs/sites/meios. Não vou discutir isso neste post aqui, mas estou pronta pra falar sobre, com quem quiser ouvir minha opinião. É só me escrever.

Estou escrevendo porque nos comentários daquele post as pessoas estão claramente confusas sobre a história "processo", dizendo que TDUD? está processando o blog Atoron, por exemplo... O próprio Gravataí diz que Polly se ofendeu quando foi chamada de "obesa". Enfim. Too much ado about nothing. Nada disso é verdade.

EU, Alessandra (e não o TDUD?), estou abrindo um processo contra José Hilário (o Metheoro), por ter sido chamada de maníaca depressiva no blog dele. Polly nunca se ofendeu por ser chamada de gorda, assim como Didi não se ofende por ser chamado de gay e eu não me ofendo por ser chamada de gengivuda/velha/gorda. Esse tipo de coisa eu acho que nem precisaria estar explicando, porque é absolutamente óbvio e quem nos lê deve saber. Polly É gorda, Didi É gay, eu SOU gengivuda, so what? A gente RI disso, o tempo todo, em nossos blogs pessoais.

Agora, quando você diz que uma pessoa matou gatos de outra pessoa, você está dizendo que ela cometeu um crime. Quando esse fato NÃO aconteceu, bom, você tem que se responsabilizar por isso. Quando você chama uma outra pessoa de maníaca depressiva com o intuito de injuriar/difamar, e ela não é maníaca depressiva, mas está escrevendo posts tristes porque seu pai acabou de MORRER, você tem que se responsabilizar por isso. Quando eu recebo este email:

...Hipopolly não se hospeda na casa de usa melhor ameeeega Lelê porque algum tempo atrás ela se hospedou lá e fez muita, mas muita merda mesmo. De comer coisas da geladayra a dar em cima do marido da Lelê. Marido esse, aliás, que trabalha no meio musical e fuma maconha loucamente, inclusive em casa e perto da filha deles...

... bom, o autor deste texto vai ter que responder por isso. E assim por diante.

Pra mim, a diferença entre o TDUD? e este email, por exemplo, está muito muito clara. A diferença entre o que a gente escreve no blog e dizer que tal pessoa mata gatos por sadismo (o que é um crime) está evidente - bem diferente de você fazer piada com uma pessoa gorda/velha/gay/tosca. Gostar ou não do TDUD? é uma coisa pessoal, direito intransferível. Uma coisa é uma coisa. Outra coisa, bem... é outra coisa. Minha opinião está dada e fico por aqui sobre este assunto.

Um beijo.

sábado, 15 de novembro de 2008

Diva Eterna

Daí que na quinta-feira fomos ao show da Cyndi Lauper. Eu já assisti a shows dela das duas vezes em que ela veio ao Brasil, sou fãzaça, mesmo, de saber todas as letras, de dançar igual. Eu aprendi a dançar vendo Cyndi dançar, eu aprendi a mudar a cor e o corte do cabelo a cada semana com ela, eu aprendi a escrever versos doídos com ela. Cyndi está no topo da minha cadeia musical, como Ted Hughes e Christian Bobin estão no topo da minha cadeia poética, o que, na verdade, dá na mesma. Cyndi é poesia em forma de som e fúria.

O que vi nessa quinta foi uma Cyndi obviamente mais velha (55 anos) e incrivelmente MUITO mais rock'n'roll. Mesmo o último cd tendo sido supereletrônico, ao vivo é outra história: guitarra, baixo, bateria e MUITA voz. Não estou falando (só) dos agudos superpotentes: uma cantora não se faz só com uma tessitura vocal abrangente, é muito mais que isso. É alma no corpo da voz.

Ouvir When You Were Mine ao vivo foi absurdo. Re-ouvir Girls Just Wanna Have Fun ao vivo foi delicioso:



(eu quero esse cabelooooooooooooooo)



Ficou faltando Shine (que ela cantou na sexta, meu Deus), mas ok, eu ouvi o tempo todo na volta pra casa, porque está no meu peito e no meu pulso...


...pra sempre. My music.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Sobre Ratos - 2

Nego acha que pode falar merda e ficar na boa. Bom, se tem uma coisa que eu aprendi com meu pai é que não. E é em nome dele é que não vai ser assim.

Se vocês querem saber do que eu estou falando, por cima a história é a seguinte: um cara que sempre assinou como Metheoro e sempre "acompanhou" o TDUD?, participando de programas a que a gente ia e mandando scraps/tweets elogiando todos... ele e alguns amigos dele. Daí o cara resolveu mudar de idéia: o TDUD? é ruim e tal. Ele e os amigos dele. Mas beleza, até aí.

Daí o cara faz um hate blog (pronto, vai ter mais que 10 acessos/dia agora) pra falar mal de quem? TDUD?. E quem comenta? Aqueles tais amigos dele (um deles inclusive que espalhava pra galera que era um dos meus melhores amigos e... not). O blog é feito pra ofender várias pessoas (Polly, Didi e eu inclusive), mas ofender de verdade, falar mentiras, machucar pessoas, injuriar, difamar. A partir de ontem, o alvo sou eu, por causa do post abaixo.

Bom, minha resposta é este post e um processo bem montado. O nome verdadeiro do dono daquele blog (que não assina, obviamente - esse povo trabalha só com pseudônimo sempre) é José Hilário Jr, um recifense que agora mora em SP - é esse cara aqui (obviamente já devidamente bloqueado) e aqui (já trancado, não duvido que delete logo também). Aperta a campainha e sai correndo. Ofende, calunia, injuria e quando é confrontado alega "opinião" ou diz que está sendo "intimidado" (ver comentários).

Não me pronuncio mais sobre isso, por enquanto. Nem no blog nem no twitter. Obrigada a quem me mandou emails ontem à noite sobre o assunto. Quem quiser me contatar sobre isso e saber o que estou fazendo a respeito pra poder entrar na história - porque o cara joga merda pra tudo quanto é lado -, por favor escreva para alesie@gmail.com.

___

Update: quem se sentiu incomodado/lesado pelos posts do blog do cidadão, por favor entre em contato. Acabo de falar com meu advogado pelo telefone e enviar-lhe a documentação e ele diz que a ação pode, sim, ser conjunta, se for o caso.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

sobre ratos

Como diz a Polly, tem dias em que a gente se sente em um episódio de baixo orçamento de Gossip Girl. A única diferença é que não somos milionários e não estamos no Upper East Side. Ah, sim, e nossos vilões não possuem o mesmo talento para a maldade e deixam rastros, jurando que nunca serão descobertos. Então, esse é apenas um recado para as pessoas que eu deixo entrar na minha casa e abusam da minha confiança: vocês não são tão espertos quanto pensam e ninguém aqui está em um seriado de adolescentes para ficar invadindo computador e repassando informações, muito menos para sair roubando objetos. Sim, eu podia chamar a polícia, porque, ao contrário de intriguinha de internet, roubar dá cadeia, mas não vou perder mais energia com molecagem.

Vai fazer o quê? Vender no Mercado Livre? Leiloar no Orkut? Lamento informar, mas não vai conseguir nem 20 conto. O que você levou no domingo eu posso repor e a minha vida (ou a dos meus amigos) não vai ficar mais ou menos rica por causa disso ou por causa de magoazinha de internet, mas falta de honra e caráter (roubar a casa dos outros e invadir privacidade tem outro nome?), ah, isso sim ACABA com a vida de uma pessoa, e é por isso que eu tenho pena de vocês. Não porque eu "falo mal de todo mundo mas não agüento", mas porque desonestidade e traição, dentro da minha casa, me embrulham o estômago.

Vocês sabem quem são.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Stop the Clocks - Translated into English by John Lyons

So, Dad, I'm going to speak while the blood is warm - mine, and yours still. Because you died seven hours ago, just seven, and already it seems like seven years.


Your doctor was with me and he said that he never saw a life force than yours. Such a goddamned will to live, contradicting all prognoses, shrinking cancers, increasing levels of God knows what in a way no one could explain. I told him that you were always like that, Dad, you always did what you wanted - and what you most wanted in this life was to live as much as you could.

And when you stopped breathing, you were sufficiently generous, given the fact that my mother put her hand on your chest to see if your heart was still beatng, to give her three more beats, before stopping altogether. Your heart did not stop beating in my mother's hands, your ex-wife's - it beat three more times, a present which meant more than any other thing you might have promised to any other person.

And when that immense tear fell into the corner of your eye, after you stopped breathing and after your heart stopped beating, I know that was when you cast off the armor from around your soul, and handed it to Life saying: "I never gave up; it was you that defeated me". Because you would never give up, Dad; you, never. And you taught me more in these 40 days than in 30 years. 

That I am like you, Dad, I always knew, and everyone always said so. But today, after dressing, combing, and perfuming your body just as you would do for a big date with some big-thighed fancy lady, I moved away from the cold slab feeling for the first time in my life that something REALLY NEW had been born in me. I am feeling you within me in a way that is different from love or nostalgia. It is almost physical, almost the opposite of a cancer, an unexpected spiritual metastasis.

I promise to honor you every day, Dad, to honor your name, your sense of justice and your taste for irony, honor your sharp and incomparable intelligence, your honesty and common sense, your weakness for vain and ephemeral passions, for a good lay, a good table, for real beer (because the others were only fit for pipe-cleaning), to honor your eternal motto "don't make it easy". But principally, Dad, I promise to honor your honor. Tooth and nail, forever and ever.

*

EHRE ÜBER ALLES

Poetry above all

E quando está tudo difícil demais a ponto de você perguntar se vai mesmo conseguir aguentar abrir uma lata de pêssegos em calda sem explodir em lágrimas e dor, vem a poesia e te salva, e diz tudo por você, e te abraça e diz que "it'll all be ok".

O poema abaixo foi escrito no dia da morte do meu pai, por John Lyons, e é uma das coisas mais impressionantemente lindas que eu já li na vida. John conheceu meu pai por alguns anos, mas conheceu tudo dele, e eles eram muito amigos.

Thank you, Brother.


Waldir

There are names

And there are names,

Drenched in emotion

But free from tears

Names that sail

Freely along the coast

Of Ilhabela

Names that dwell

On the tip of the tongue

Names that are in essence

A kiss

Or a warm embrace

Names that love

The laughter of life

And scoff at death’s

Dismal victory,

names that purr after dark

just as Carol

is purring still

on the stairs

in São Carlos;

there are names

soaked to the core

in honour

in dignity

in respect,

names with a fierce

tenderness,

names that are

essential to the smooth

running of life

and that cause us to stand

to attention

as they pass us by

or as they pause

to spend a few years

with us, names

that charge the memory

with indelible moments,

names that bear

testimony to the stubbornness

of love, to the fact

pure and simple

that love outlives

pedestrian life that ultimately

cannot keep pace, cannot

go the distance, life

that empty misnomer!

What’s in a name?

That uncommon denominator

That we carry from

The date of our birth

Up to and beyond

The moment of complete

Release, no longer

The wounded bird

Held in delicate hands,

But a name that soars

In the beating heart,

For ever and ever.

John Lyons

2 November 2008

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

(as mãos imensas do meu Pai, e a delicadeza com que abrigaram um passarinho, em Ilhabela)



ELEGIA - estrofe 7

-Cecilia Meireles-


(...)
Faltam teus olhos com ilhas, mares, viagens, povos,
tua boca, onde a passagem da vida
tinha deixado uma doçura triste,
que dispensava palavras.

Ah, falta o silêncio que estava entre nós,
e olhava a tarde, também.

Nele vivia o teu amor por mim,
obrigatório e secreto.
Igual à face da Natureza:
evidente, e sem definição.

Tudo em ti era uma ausência que se demorava:
uma despedida pronta a cumprir-se.

Sentindo-o, cobria minhas lágrimas com um riso doido.
Agora, tenho medo que não visses
o que havia por trás dele.

Aqui está meu rosto verdadeiro,
defronte do crepúsculo que não alcançaste.
Abre o túmulo, e olha-me:
dize-me qual de nós morreu mais.

domingo, 2 de novembro de 2008

Stop the Clocks

Então, Pai, eu vou falar enquanto o sangue tá quente - o meu e o teu, ainda. Porque você morreu faz sete horas, só sete horas, e parece que já faz sete anos.

Teu médico esteve comigo e disse que nunca viu uma força de vida maior que a sua. Uma vontade de viver tão foda, contrariando todos os prognósticos, diminuindo cânceres, aumentando taxas sei-lá-de-quê de uma forma que ninguém soube explicar. Eu disse pra ele que você sempre foi assim, Pai, você sempre fez o que queria - e o que mais quis nessa vida foi viver tudo o que podia.

E quando você parou de respirar, foi generoso o suficiente para, diante do fato de minha mãe colocar sua mão no teu peito pra ver se teu coração ainda batia, dar a ela três pulsações outras, antes de parar de vez. Teu coração não parou de bater nas mãos da minha mãe, tua ex-mulher - ele bateu outras três vezes, um presente que significou mais do que qualquer outra coisa que você possa ter prometido pra qualquer pessoa.

E quando tua lágrima grossa caiu do canto do teu olho, depois que você parou de respirar e teu coração parou de bater, eu sei que foi quando você tirou a armadura de cima da tua alma, entregou pra Vida e falou: "Eu não desisti; você que me venceu". Porque você não desistiria jamais, Pai; você, não. E você me ensinou muito mais nestes 40 dias do que em 30 anos.

Que eu sou parecida com você, Pai, eu sempre soube, e todo mundo sempre disse. Mas hoje, depois de vestir, pentear, perfumar teu corpo como você faria para um grande encontro com uma sirigaita de coxas grossas qualquer, eu saí de perto da mesa gelada sentindo pela primeira vez na vida que algo REALMENTE NOVO brotou em mim. Estou sentindo você dentro de mim de uma forma diferente de amor ou saudade. É quase físico, quase o avesso de um câncer, uma metástase anímica inesperada.

Prometo te honrar a cada dia, Pai, honrar teu sobrenome, honrar teu senso de justiça e teu humor sarcástico, honrar tua inteligência afiada e incomparável, tua honestidade e sensatez, tua queda por paixões fúteis e efêmeras, pela boa cama, pela boa mesa, pela cerveja de verdade (porque o resto é para limpar cachimbo), honrar o eterno lema "não facilite". Mas principalmente, Pai, prometo honrar a tua honra. Com unhas e dentes, para todo o sempre.


EHRE ÜBER ALLES


Vai com Deus, Pai, e olha por mim.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Eat'n'Tell

Quem me conhece sabe o quanto eu adoro comer, e como eu gosto do universo gastronômico em geral. Por isso eu gosto tanto do Blog do Clayton, o Eat'n'Tell. Pra mim, disparado o melhor blog de crítica gastronômica que a gente tem por aqui - e olha que eu LEIO sobre comida também, viu.

E por isso fiquei tão feliz quando ele me chamou para escrever com ele. Hoje fiz meu primeiro post.

Vão lá e comentem! O blog todo é uma delícia.

Mila para doação


Há dois anos ela, com poucos meses de idade, Mila foi
deixada por alguém que passou de carro na
esquina da casa de um amigo. Durante uma semana a vizinhança se
mobilizou: um deu cobertor, outro, comida... e veio a idéia de ela ficar na casa até arrumar um
lar. Só que lá já havia outro cachorro e seis gatos, e a
casa ficou pequena demais.

Depois Mila ficou quase um ano em
casa de uma amiga desse meu amigo, mas lá era ainda menor, a
vizinhança reclamou dos latidos e Mila acabou voltando para
a primeira casa.

Todos (inclusive ela, me parece) acham que ela ficaria
melhor onde pudesse ter mais espaço.

Para adotar Mila, escrevam para mim. alesie@gmail.com

terça-feira, 28 de outubro de 2008

Cachorro perdido


Este cachorrinho foi encontrado hoje (28/10) perto da Fnac da Paulista, em SP, machucado e assustado. Levou pontos e agora está numa clínica veterinária, esperando pelo dono ou um novo dono.

Divulguem, por favor. Podem me contatar. alesie@gmail.com

Obrigada!

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Dia das Crianças às avessas

Peço ajuda para divulgar.

Este link é de um pai espancando um filho dentro de um aeroporto, em Porto Alegre, no dia 12/10.
É muito forte, muito triste. Foi filmado por um funcionário da Infraero.

O pai está solto e não foi punido.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

o aniversário da minha melhor amiga

Nunca duvidei. Quando cheguei na sala de aula, primeiro dia de faculdade, ela estava sozinha, lá no fundo, observando o povo que se aglomerava e se apresentava, lá na frente. Pensei: encontrei minha amiga aqui dentro. E foi assim.

Dea me ensinou a dançar. Sério, parece ridículo, uma pessoa de 20 anos que não sabia dançar, mas não, eu não sabia. E comecei a dançar por causa dela. E comecei a sair por causa dela. Todo fim de semana, a gente saía juntas. São tantas histórias de cair no chão de rir, mas acho que só a gente entende e ri tanto, mesmo porque quando vai contar a história a gente se escangalha de rir e não consegue terminar. A gente começou a namorar dois amigos, e era o máximo, porque além de sair juntas a gente saía com os namorados juntas - e fugia deles juntas também.

E fomos amigas e depois melhores amigas e depois inseparáveis, e depois sócias e então madrinhas uma da outra. Sempre eventos tão importantes, mas a gente quase nunca passa os aniversários juntas. Mas hoje deu certo. Hoje, dia 25, é teu aniversário, Déu. E eu passei 10 minutos dele com você.

Vi todas as suas fotos, Sis. As tuas pedras. As tuas portas, de que você tanto gosta - as portas que te levam pro desconhecido, pra você se jogar, que essa é a tua vida. Se jogar em tudo o que você não conhece, e desvendar, e sapatear em cima, e ir embora. Eu te amo tanto por isso, e você me faz tanto bem sendo assim... um dia você vai entender tudo isso.

Esses 10 minutos de aniversário que a gente passou juntas hoje foram, mais uma vez, a minha porta - em que, com uma pessoa que me ouve e que eu gosto tanto de ouvir, eu pude me jogar pra dentro de mim mesma e me enxergar com os olhos de quem realmente entende. Da última fila. Com um sorriso no rosto.

Te amo tanto e te desejo todo o bem do mundo, hoje e para sempre. Parasempremente.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

Sopra me


Naquela tarde eu te mandei todo o meu amor num beijo sonhado,
E desejei e soprei um vento para levá-lo até você
Ou ao menos um arco-íris invertido, num mundo ao contrário
Em que eu fosse tu por um momento e te sentisse como um eu,
Dentro, fora, cabelos e boca.

A semi-insônia das noites passadas se enraíza
Em olheiras e alguma tristeza: saudades do oceano
De silêncio navegado, do cais em que eu aportei
Por meio dele, e que agora também foi levado para longe
Pelo vento que eu mesma soprei.

Do meu lado esquerdo, dentro, uma cicatriz ensolarada:
A primeira letra do teu nome, roxa pétala amalgamada em sangue,
Areia, vento e água, combatendo bravamente, como tudo que é teu,
A paixão apocalíptica que me embalou pelos braços, recém-(re)nascida,
E sussurrou: "Nada aqui é teu", lullaby em pesadelo.

Ha! Mal sabe ela que eu também amalgamo e permaneço, porque minha raça
é Pietra, e as algas se amarram em meus pés e mesmo que eu quisesse ir sou escrava
desse mar hoje e para sempre, salgada em versos e lágrimas e peixes e espantos
e pedras e nada.

Semana das Crianças


Com meus primos, há muitos e muitos anos :)

terça-feira, 14 de outubro de 2008

29 dias

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Gli ostacoli del cuore

terça-feira, 7 de outubro de 2008

primeiro poema de John Lyons para Anna Chiara

Anna Chiara

You do not speak my language,

not yet at least.

But your eyes

-dark pools of liquid light-

are big and beautiful.

Were I to compare your eyes

to any precious stone

or any

distant stars

that shed their light

on a summer’s evening,

I would,

as a poet,

be failing you, failing

their beauty.

Some things in life

are true and pointless.

Not you,

nor your innocence,

nor your beauty. You are

who and what you are, and

you are the joy of love

unconfined.

Your tiny hands reach out

as you ask for your drink,

your pert mouth agape,

milk teeth

barely piercing your bony gums.

First steps,

first teeth,

first words:

this is the so-called learning curve

of infancy.

But it is not that simple.

Are parents the first teachers

of their children,

or is it the reverse?

Of love you have nothing to learn

and everything

to teach. There is

love in the first laughter,

the first smile, the first games,

and you will remind us

as you call

to your mother and father that love

is the first and only reason for words.

If beauty is truth -and these are only words-

the love that illuminates

your fresh young skin

will remain everlasting,

and that purest of loves

which makes us

ageless, timeless will

be manifest every day of your life

from here and to eternity.

**27 December 2000**

Poetry über alles

John Lyons, poeta irlandês e um grande amigo, escreveu esta obra-prima em forma de poema, depois de ver uma foto de minha filha, Chiara, no aniversário de meu pai (ontem). Não bastando essa homenagem, John Hemingway, neto de Ernest Hemingway e um grande escritor ele também, postou o poema em seu blog.

Hoje é um dia de sol. Mesmo nublado, mesmo chovendo. It's sunny inside.


Chiara on her grandfather's birthday



Beauty has its own melody
speaks with honesty
and spontaneity
has a clear eye
for what is good,
for what is better
for what is best
in human nature;
beauty loves the truth,
always,
and swears
by the power of love;
beauty
glows under the skin
and sets the lips
alight with a smile;
beauty is that child
on the road
to adolescent innocence,
never bored with
clumsy perfections,
never eager
to find fault but
content to stretch
the moment shared
into infinity;
beauty is the authentic
kiss of life, number
personified, intuitive
peace lived beyond
the wildest stretch
of the imagination.

7-10-2008

John Lyons

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Parabéns, Pai

06/06/08



"...Meu pai, como vai?
Diga a ele que não se aborreça comigo



Quando me vir beijar outro homem qualquer
Diga a ele que eu quando beijo um amigo



Estou certo de ser alguém como ele é
Alguém com sua força pra me proteger



Alguém com seu carinho pra me confortar
Alguém com olhos e coração bem abertos
Pra me compreender..."

(Gilberto Gil - Pai e Mãe)

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

mais de baudelaire

Um Hemisfério numa Cabeleira

Me deixe respirar, por longo, longo tempo, o cheiro de seus cabelos, neles mergulhar todo o meu rosto, como um homem sedento na água de uma fonte, e agitá-los com minha mão como a um lenço cheiroso, para sacudir lembranças no ar.
Se você pudesse saber tudo o que vejo! Tudo o que sinto! Tudo o que ouço em seus cabelos! Minha alma viaja por sobre o perfume como a alma dos outros homens por sobre a música.
Seus cabelos contêm todo um sonho, repleto de velas e mastros; contêm grandes mares, cujas monções me levam a encantadoras regiões, onde o espaço é mais azul e mais profundo, onde a atmosfera é perfumada pelas frutas, pelas folhas e pela pele humana.
No oceano de sua cabeleira, entrevejo um ponto fervilhando de cantos melancólicos, homens vigorosos de todas as nações e navios de todas as formas, recortando suas arquiteturas finas e complicadas num céu imenso, onde se estira o eterno calor.
Nas carícias de sua cabeleira, reencontro os langores de longas horas passadas num sofá, no quarto de um belo navio, embaladas pela arfagem imperceptível do porto, entre os vasos de flores e as moringas refrescantes.
Na ardente lareira de sua cabeleira, respiro o cheiro do fumo mesclado de ópio e açúcar; na noite de sua cabeleira, vejo refulgir o infinito do azul tropical; nas margens de penugem da sua cabeleira, me embriago com os cheiros combinados do alcatrão, do almíscar e do óleo de coco.
Me deixe morder, por longo tempo, suas tranças pesadas e negras. Quando mordisco seus cabelos elásticos e rebeldes, me parece estar comendo lembranças.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Noturna

Afogada no sol que parte
A licorosa distância me parte
Em duas, e três e quatro,
E às cinco da tarde já sou seis.
*
E é submersa que me deito, entreaberta, e o veio d´água já fragmentado em dois e três e quatro é o rio que me corre entre as pernas, pra longe do porto.
*
Horas antes, os navios ali; os navios sumindo, horizontes.
Uma reserva d´água salgada ainda na boca que não diz.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Os benefícios da lua

- Charles Baudelaire

"A lua, que é a própria imagem do capricho, olhou pela
Janela enquanto dormias em teu berço, e disse consigo,
Mesma: - 'Esta criança me agrada.'
E desceu maciamente a sua escada de nuvens, e
Deslizou sem ruído através das vidraças. E pousou sôbre ti com
Um suave carinho de mãe, e depôs as suas côres em tuas
Faces. Então, tuas pupilas se tornaram verdes, e tuas faces
Extraordinàriamente pálidas. Foi contemplando essa visitante
Que os teus olhos se dilataram de modo tão estranho; e
Ela com tão viva ternura te apertou a garganta que ficaste,
Para sempre, com o desejo de chorar.
Entretanto, na expansão da sua alegria, a Lua invadia
Todo o quarto, como uma atmosfera fosfórica, como um peixe
Luminoso; e tôda esta luz viva pensava e dizia:
- Tu sofrerás eternamente a influência do meu beijo.
Serás bela à minha maneira. Amarás o que eu amo e o que
Me ama: a água, as nuvens, o silêncio e a noite; o mar
Imenso e verde; a água informe e multiforme; o lugar onde
Não estiveres; o amante que não conheceres; as flôres
Monstruosas; os perfumes que fazem delirar; os gatos que
Desmaiam sôbre os pianos e gemem que nem as mulheres, com
Uma doce voz enrouquecida!
'E tu serás amada pelos meus amantes, cortejada pelos
Meus cortejadores. Serás a rainha dos homens de olhos
Verdes a quem também estreitei a garganta em minhas
Carícias noturnas; daqueles que amam o mar, o mar imenso,
Tumultuoso e verde, a água informe e multiforme, o lugar onde
não estão, a mulher que não conhecem, as flôres sinistras
Que sugerem incensórios de alguma religião ignota, os
Perfumes que turbam a vontade, e os animais selvagens e
Voluptuosos que são os emblemas da sua loucura.'
E é por isso, maldita e querida criança mimada, que
Estou agora prosternado a teus pés, buscando em tôda a tua
Pessoa o reflexo da terrível Divindade, da fatídica madrinha,
Da ama-de-leite envenenadora de todos os lunáticos."

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Maurice e Jasmin para adoção

Em 21 de junho uma amiga minha que trabalha num projeto lindo chamado Bicho no Parque doou 2 gatinhos (Maurice e Jasmin) para uma pessoa que parecia a adotante perfeita. Apartamento telado, ração Royal Canin, a família sempre teve gatos...

Eles se adaptaram numa boa, mas a adotante, não. Desde a adoção minha amiga recebia relatórios de que eles quebraram isto, que custou não sei quanto; que vomitaram naquilo, que foi comprado não sei onde; que desfiaram a cortina, que nem foi paga ainda; etc etc etc. Notícias boas, felizes, eram uma tremenda raridade... Enfim, minha amiga descobriu que eles até apanhar apanharam - e bastante.

Estão volta para adoção o tímido e falante Maurice e a superdoce, oferecida e, sim, estabanada, Jasmin. Estão aqui na minha casa como lar transitório (LT), mas precisamos urgentemente de divulgação desses dois.




O Maurice é tímido no início, mas fica um doce depois que se acostuma à pessoa, quer colo, conversa bastante (responde mesmo). É brincalhão, gosta de altura, mas é calmo. Tem 2 anos, está castrado, vacinado e microchipado.



A Jasmin é peluda, com pêlos entre os coxins (as almofadinhas) dos pés; é supercarinhosa e carente. Gosta muito de gente. Tem 1,5 ano, está castrada, vacinada e microchipada.

Os dois se ignoravam, ao serem adotados juntos, ficaram super companheiros, de um ir aonde o outro estava o tempo inteiro. A adoção de ambos juntos seria legal, mas não imprescindível.

Quem puder ajudar na divulgação, adoção, por favor, entre em contato, ok?

Obrigada.

sábado, 13 de setembro de 2008

Pânico



Foi do caralho.



Conhecer um dos meus maiores ídolos, o Emilio, foi surreal. E ele é tudo aquilo que aparenta ser. Em uma palavra: genial. E em outra: gentil. O que pra mim, na verdade, é faux-pas. Os exemplos estão aí pra quem quiser conferir. Uma pessoa que não trata as outras pessoalmente (sim, pessoalmente. Porque sim, faz toda a diferença, mas nem é o caso explicar isso aqui) com gentileza não pode ser genial. Sim, a pessoa pode ser muito inteligente e hmmm... não-gentil (ingentil? seria uma boa palavra). Mas nunca, nunca, não importa o quanto ela tente ou acredite, vai ser genial. Sim, esse preceito é universal e mais antigo que andar pra frente. E sim, é um preceito eterno e indissolúvel, não importa o tanto que se tente espancá-lo.

Enfim. Pra quem não ouviu, dá pra baixar o mp3 daqui.

Tem cinco partes no youtube também.
Parte 1.
Parte 2.
Parte 3.
Parte 4.
Parte 5.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

fada-madrinha



Eu sou fã da Rosana Hermann desde o blog Farofa. Sempre acompanhei tudo o que ela fazia, e a cobertura do Big Brother que ela fez foi uma puta inspiração pro Big Bosta.

Foi a Rosana uma das primeiras a linkar o Te Dou um Dado?, gerando uma porrada de visitação. Foi ela quem me indicou pra Gisela Rao, que me indicou pra Clarissa Passos, e por causa disso eu tô escrevendo matérias "sérias" pro iG.

Eu chamo a Rosana de fada-madrinha por isso e por tantas outras coisas, adoro o que ela faz e COMO ela faz, principalmente. Foi ela quem adotou a Laika Virgin, e fez com que ela (a Laika) deixasse de ter medo de trovão e de fogos. Só com carinho. Daí você como essa pessoa é foda.

Esse post é um agradecimento, com uma vontade imensa de que tudo dê muito certo na sua vida, Ruiva, num crescendo de sucesso e de felicidade, pra sempre.

Obrigada por tudo.

Lele

domingo, 7 de setembro de 2008

amigos, vinho, filha, música

quinta-feira, 4 de setembro de 2008


Sob o sol de setembro eu revivo, eu reajo, eu ressôo, eu re-sou.
A reentrada da primavera me remete ao meu coração retinto
Recendendo ao velho perfume de calêndula que me
Reacende antigos outros perfumes-relíquias, um a um,
No refúgio imaginário dos reincidentes.

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

quarando no sol de são paulo


Catarina


Prozac


Monica e Catarina


Catarina, Prozac, Fofuco (sim, ele acha que ele é um dos cachorros, foi criado com e por eles)


Monica