terça-feira, 29 de julho de 2008

Fior


é dos teus olhos que nasceram vários vestígios de sonhos
que se incorporaram nos meus e sonhamos pedaços iguais
- fragmentos gêmeos -
mesmas cores, mesmos cheiros, mesmas letras que tropeçaram
nas escadas e rolaram e me caíram no colo e com elas
eu fiz rima e formei palavras e completei as palavras-cruzadas
por sob a minha pele
com a tinta de polvo dos teus abraços que me tingiam
de azul-escuro, azul-noite, azul-tudo
azul-teus olhos
que se fecharam
e deixaram uma
só uma
palavra incompleta.

*

não sei qual era. e é isso que me mata.


4 comentários:

Nina disse...

"pra fazer um samba com beleza
É preciso um bocado de tristeza"

Samba, poesia ou prosa, são mais bonitos assim, meio tristes.

Seu texto é lindo!

Mas desejo que sua vida se encha de felicidade, o quanto antes. Ainda que, com isso, se perca um pouco da beleza das suas palavras.

Lost Deeva disse...

Leio seu blog sempre. E sempre procuro algo a dizer. E nunca encontro. Infelizmente. Ou não.

Cuide-se!

retrolectro disse...

nossa. nuh!
tô impressionado demais.

a palavra incompleta é a palavra que cala.

Danielle Ribeiro disse...

Isso é DOR!