domingo, 24 de maio de 2009

Um milhão de amigos my ass


Estou há menos de duas semanas do meu aniversário e a menos de uma de um pós-operatório que me faz ficar de pernas pra cima e cabeça on firah, porque mais de dez minutos em pé me fazem quase chorar de dor, então não dá. Hoje meu domingo foi isso, filmes e cabeça on firah.


Não que a cabeça on firah em uma geminiana seja algo de se assustar, mas não tem muito pra onde fugir. E lendo um pouco de astrologia fiquei pensando no papel da casa 11 do meu mapa, que são meus grupos. Meus amigos.

Eu adoro saber dos outros, adoro ajudar os outros, faço o que eu posso, me viro do avesso e me sinto muito muito feliz com isso. Não consigo dormir sabendo que um amigo meu tá fodido de alguma forma. Mas de uns tempos para cá eu sentia falta de uma pergunta, um abraço, sei lá. De entrar no msn e ter alguém pra me perguntar como EU estou, for a change.

Me senti muito culpada por um tempo, mas depois eu entendi. Talvez seja a velhice chegando, mas estou cada vez mais seletiva e com menos AMIGOS capslock. Gente conheço pencas, virtual e pessoalmente. Trabalho com um monte, cada dia conheço mais, e adoro estar sempre cercada. Mas é outra história.

Estou falando de quem está comigo sempre. De quem me abraça quando meu pai morre. De quem me leva flores no hospital e ri comigo dos absurdos in loco. De quem se preocupa comigo mesmo eu não falando quase nunca de mim, quando o assunto é sério. Porque me conhece, e sabe. E gosta de mim...

(Escrevendo isso, paro para atender um amigo que eu amo, me ligando pra saber como eu estou. Não tem como desmentir, é isso. Não tem como explicar, é isso.)








Foto: Rosa que Mel me levou ao hospital, ano passado, enquanto meu pai estava internado. Ele ficou com a rosa ao lado de sua cama enquanto pôde, e cheirava todo dia. Eu sei o que essa rosa significou pra ele. É disso que eu estou falando.

20 comentários:

Caminhante disse...

Pelo msn eu descobri que sou uma ótima amiga pros outros, mas poucos são bons amigos pra mim. O que tinha de gente que aparecia lá quase se matando e a trouxa aqui ficava com o pulso doendo de tanto tentar ajudar... Aí quando eu estava mal, todo mundo ficava ocupado ou offline! Cansei!

Lucina disse...

Gata,

tá tudo lindo, é só o famigerado inferno astral batendo na porrrrta!

A notícia ruim é que tem todo ano, e a boa é que sempre passa! Normalmente com uma festinha e presentes!

Bjos
Dj Angel

Sarah disse...

Primeira vez que estou comentando aqui e adorei o seu post sobre amizade me fez refletir bastante. Claro que é bom viver rodeada de pessoas, mas nada como ter nossos amigos, aqueles que podemos contar sempre. BTW, muito bonita a rosa, Lelê. Te sigo no Twitter e vi fotos da sua perna (fui muito aleatória, né), tomara que você melhore logo da saúde e feliz aniversário daqui menos de duas semanas. Um beijo. PS: Vou adorar se você me responder, pode ser por aqui mesmo. E aí, como você está?

SAL disse...

Pois é, sei bem o que é isso.
as pessoas não são, ou nao agem da maneira que gostariamos ou esperamos
que elas sejam, talvez não pq elas nao querem e sim pq elas nao sabem.
Mas sempre tem aqueles amigos que sabem e saao ser da maneira que gostamos , os PERFEITOS PARA NÒS!

Gabriel disse...

Exactly. São pessoas que com um simples "Saudades!" já iluminam meu dia que eu quero ter por perto. A Mel é única justamente por ser iluminada e não guardar isso só pra ela, mas sim fazer uso disso pra iluminar os outros quando precisam tanto. Não sei onde vocês estavam nos meus últimos 25 anos, mas garanto que fizeram falta. Other 25 and more to come, and counting! Amo. Gá

Roberto disse...

Ah, Lele, eu espero mesmo que esteja tudo bem com você.
Você tem pessoas na intenet que gostam bastante de você, e pelo menos uma que lê, se preocupa e torce pra que fique tudo bem com você. Eu acompanho você no twitter, sabia? E cada coisa que você posta, eu fico atento, quando é coisa ruim, me preocupo, e peço a Deus pra cuidar de ti, e também da sua família - como quando a madrasta da sua filha mandou email ameaçando fazer maldade com ela, seja esta maldade qual for. O problema é que a gente, ou pelo menos eu, temos medo de perguntar. Você sabe como é a internet, muita gente fica se dizendo invadida, acha que uma mensagem de preocupação ou mesmo simpatia é invasiva, dá chilique e ainda sai falando pra todo mundo que fulanos e ciclanos ficam enviando mensagens pessoais, perguntando sobre a vida privada de cada um, querendo se meter aonde não deve - porque não foi dada tal confiança. Foi mais ou menos o que aconteceu entre eu e a Rosana H., que deu chilique por que perguntei por DM se ela gostava de ler sobre ufos, por que vi o vídeo dela em q grava um ovni (no youtube), e mandei dois links de dois sites interessantes pra ela ler coisas novas; e isso foi o bastante pra ela postar mensagens sobre um certo "alguém" (q eu ñ só sabia que era eu, como perguntei por DM, e ela foi bem grossa comigo), que achava que tinha confiança pra falar com ela como se fosse uma pessoa chegada.
Enfim, isso ilustra bem a falta de confiança das pessoas que te conhecem pela internet de se aproximarem de você. Mas isso não quer dizer que a gente não se importe.

Eu acho você a pessoa mais simpática do TDUD? (desde que conheci o site), e, todas as vezes que comentei em livebloggings (do BBB ou outro), você era a única que respondia, muito bem educada por sinal, e o único email que enviei pro TDUD?, tenho quase certeza que foi você quem respondeu. Sei que você é uma pessoa de bom coração, de um caráter muito bom. Dá pra perceber pelo seu jeito, suas atitudes, a forma como se posiciona frente as coisas.

Lelê, eu não sei bem como dizer, mas, se amizade é reciprocidade, você tem, ao menos, admiradores. Não é reciproco, não há a troca, e talvez você nem saiba, mas está sendo direcionado muito carinho, preocupação, e emergia boa pra você. Tem gente torcendo por ti.

Igor disse...

É algo que a gente aprende durante a vida.

No final das contas, a gente não tem um monte de amigos. Nós podemos conhecer um monte de gente. Termos contato com todo mundo e gostar delas. Mas amigos a gente conta nos dedos, fácil, fácil.

Parece clichê. Mas é fato.

E tem uma coisa que o Roberto comentou e meio que concordo com ele.

"O problema é que a gente, ou pelo menos eu, tem medo de perguntar. Você sabe como é a internet, muita gente fica se dizendo invadida, acha que uma mensagem de preocupação ou mesmo simpatia é invasiva, dá chilique e ainda sai falando pra todo mundo que fulanos e ciclanos ficam enviando mensagens pessoais, perguntando sobre a vida privada de cada um, querendo se meter aonde não deve - porque não foi dada tal confiança."

Enfim, espero que tu fique boa pra tua festa, que vc merece.

Beijos!

Alice Ayres disse...

Adorei o seu post, principalmente pq agora eu não tenho amigos. Eu casei mudei de cidade, melhor, de estado, as poucas pessoas q considerava amigos estão mto longe, e em meio a isso tudo, descobri q a pessoa q eu considerava minha melhor amiga não suportou ver minha felicidade e se mostrou a pessoa mais egoista do mundo só pq eu parei de beber feito louca e de ir pras noitadas com ela. Sofri tanto, acho q é da minha natureza, mas já passou, já desejei mto fazer amigos aqui onde tô morando, não sei pq mas isso é mto dificil pra mim, não tô conseguindo, e agora decidi não forçar nada e deixar as coisas acontecerem, mas pra mim ainda é difícil não ter amigos q se importem, q me façam companhia.

Lele Siedschlag disse...

obrigada, caminhante, lucina, sarah, sal, roberto, igor e meu gá

:) beijos grandes pra vcs

Charlie disse...

poxa... me deu uma vontade louca de ligar... viu q eu tava até meio esbaforido? hahahaah, pena q caiu! te amo muito, mesmo! não tem como explicar, é nosso jeitão!

Mara disse...

Puxa Lele...
acho que sei o que vc sente...
a gente se doa tanto (not in a good way) e as pessoas assumem que tá tudo certo, não temos problemas, não temos direito a dias de carência e fragilidade...
Imagino que vc, com tantos seguidores de TDUD e Twitter (eu inclusa), fica com uma rede tão grande, tanta gente para dar atenção, que acana perdendo a QUALIDADE.
Mas relaxa, é assim mesmo, e o seu inferno astral tá acabando...
Fique bem!

daniela70 disse...

Estando longe aqui, penso que jamais serei essa amiga. Mas você não tem idéia do quanto perto estou de você e do quanto eu realmente me importo contigo. Penso na distância que as nossas vidas impõem porque o trabalho, porque a casa, porque os próprios umbigos... Penso também que eu sei o quanto você muitas vezes quer seu espaço. E, se não pode falar, não quer falar, não quer entrar no msn, eu estarei sempre aqui entendendo, juntinha, juntinha, te admirando e amando e contigo. Quisera eu estar maiúscula na sua vida, ao seu lado em todos os momentos. Esse privilégio é dos outros, eu sei. Mas me contento em ser uma minúscula que te ama e que nunca estará longe. Nunca.

Lele Siedschlag disse...

dani, vc é maiúscula, sempre.

e sempre está presente.

te amo.

Melissa Mell disse...

Querida, queria, minha tão amada, minha irmãzona: chorei TANTO com suas palavras, sua gratidão, seu amor e seu sofrimento...sou bem sensível por baixo da extroversão e da aura de "bad cop" e sei como dói sentir-se esquecida, carente, querer que se importem- é uma merda.
Achei mega injusto estar fodida, carente e sem tempo hábil bem quando vc está de molho. Tentei estar presente, viu? Pensei muito em vc, mandei sms, te dei carinho de longe e tal, mas queria ter dado tão mais que me sinto mal. Queria ter conseguido ir te ver aquele dia- mas não pude e nem sabia que eles iam lá te alegrar. Espero que você me perdoe e saiba que eu não deixei de estar com você nenhum dia, viu?
Te amo de verdade, em CAPSLOCK, e agradeço sempre aos céus por você existir na minha vida.
Beijos e jasmins-manga.

Papagaio Mudo disse...

modéstia à parte,

você é phoda!!! com peagá, como diz meu pai. E diga-me, traduz de qual ou para qual idioma? o Italiano? suponho.
abraços,

Gustavo

ps: eu também sou phoda...

Silvia Barros disse...

Trabalhemos com números mais que fiquem dentro no nosso campo de visão. 1 milhão é um trem com muitos vagões. Prefiro minha vanzinha em que posso ver todos pelo retrovisor, ouvir suas vozes, compartilhar a direção.

Nathália disse...

Primeira vez que comento aqui (apesar de sempre te ler no TDUD, Big Bosta e Twitter), e me identifiquei com o que escreveu. Sempre senti que estava mais para meus "amigos" do que eles para mim. Ficava horas e parava o que estava fazendo para ajuda-los e quando eu precisava de algo (algo muitas vezes significava um abraço), tudo o que eu ganhei foi um belo de um tapinha nas costas acompanhado de algo do tipo: já já passa. O que não passava era a dor que sentia por toda essa falta de sensibilidade. Mas minha vó (ah! sábias vovós!) já dizia: "as pessoas não podem dar aquilo que elas não tem". Por isso quando eu acho alguém que tem algo para dar, eu quero é fazer trocas. E já aprendi também que raras são as pessoas que farão trocas, de tudo de bom que há para se oferecer. Por isso quando se acha alguém que troque, é preciso cultiva-lo com carinho como a mais bela rosa, e deixar que seu perfume embriague cada momento.

Malu Mota disse...

Olha, você é ótima... mesmo neste post, de tônica claramente melancólica, você consegue ser engraçada. "Amigos capslock"! Fosse eu Lele Siedschlag, registraria em cartório a expressão... =]
Um abraço, de alguém without capslock, mas com alguma ternura.

Bea - Compulsão Diária disse...

Velhice chegandooo?
com 38? Seliga, Lelê. Isso deve swr deprê. Tem tratamento.
Agora pra essa sacada de que quantidade não é qualidade é bacana. Mas, isso dá pra sacar com 11 anos. Saquei isso com 9 qdo meu pai morreu e as cças cruéis me discriminaram pq eu era uma sem pai;)))
Don1 t worry, be happy no seu niver.

Bea - Compulsão Diária disse...

acho que alguém aí disse inferno astral...acho qe sim..véspera de niver é aquele flashback infernal